Mês: abril 2013

Pedalando na Alemanha – Parte 1: Onde e pra quem?

Há tempos estou planejando um post sobre bicicletas por aqui (ok “tempos” é um certo exagero já que o blog existe faz um mês e pouco) mas tem tanta coisa para falar sobre bicicletas que fica difícil escrever um texto que englobe tudo.

Mas para comemorar a recente aquisição na minha nova super fofa bike Diamant Topas Damen vermelha, começo hoje com um post sobre bikes, a primeira de três ou quatro partes.

Então, como o título sugere, a parte 1 será sobre onde pedalar e quem pedala.

IMG_4409

IMG_0482

O vô e a vó também vão de bike

Todos os alemães tem uma bike. Da vovó mais velhinha até o criança mais novinha, do entregador de pizza até o(a) diretor(a) geral da BMW, eu diria que 100% dos alemães que já aprenderam a andar têm uma bike. Na dúvida até duas. Logo, fazer as coisas de bike é a coisa mais normal do mundo. A bicicleta é o principal meio de transporte de estudantes, principalmente nas cidades pequenas com grandes universidades.

IMG_0740

Estudante em cidade pequena com grande universidade indo para a aula de bike. (atenção: legendas das fotos do blog podem incluir especulações)

Ok, tô na Alemanha, tenho uma bike. Onde andar? Na calçada? Na rua? Na guia? Tem ciclovia?

A maioria das cidades têm ciclovias pelo menos ao longo das grandes avenidas com maior movimento. Andando na ciclovia, você é como um carro numa faixa mais estreita. Significa que, por exemplo, se vc quer ir em frente e um carro atrás de você quer fazer uma conversão para a direita, ele vai esperar calmamente você seguir antes de virar. Em casos onde tem uma faixa para conversão, a ciclovia segue em frente no lado esquerdo da faixa para conversão. Em cruzamentos complicados, onde tem ciclovia, vai tranquilo que você pode fazer todas as conversões que os carros também podem. Se não tem ciclovia, você é um carro que fica sempre na faixa da direita.

E vai pedalando calmamente no seu ritmo, sem desespero, que ninguém vai buzinar loucamente achando que a rua lhe pertence.

ciclovia 3

ciclovia 4

Total madness!

Na foto acima, diversos cruzamentos e conversões possíveis e a sua complicada mistura de faixas para carros com ciclovias!

As ciclovias nem sempre estão nas ruas, claro, às vezes estão nas calçadas. Na sua maioria, são identificadas pela cor vermelha (especialmente se estiver na calçada), mas pode ser também indicada por essa linha branca tracejada com espaços pequenos como na foto acima.

Quando tem ciclovia, tem atê semáforo pra bike:

IMG_3211

Como nos semáforos para carro daqui, o amarelo acende também antes do verde, não só antes do vermelho, para avisar pra você ir se  preparando que já vai dar verde. (normalmente entre o vermelho e o verde o amarelo acende bem rapidinho, tipo 2 segundos). O branco em cima do vermelho tem em semáforos de pedestre também, e é para indicar que alguém já apertou o botão para atravessar e daqui a pouco vem o sinal, espera aí de boa. O botão para atravessar, também para bikes, e  o farol branco não estão presentes em todos os semáforos para bikes, mas só nos ao longo de ciclovias que estejam em calçadas, e portanto você-bike terá que atravessar a rua como pedestre e não como carro, daí o botão.

Bom, então nas avenidas maiores tem ciclovia, normalmente uma de cada lado da rua para cada sentido. E nas ruas mais estreitas, onde não cabe ciclovia, devo ir pelo leito carroçável, e não pela calçada, beleza. Mas e se a rua for mão-única? Posso ir de bike?

Depende. Regra geral, você vai de bike no mesmo sentido dos carros, sempre. A exceção é quando são ruas muito pequenas no meio do bairro onde o tráfego de bicicletas é alto. Normalmente nessas ruas você pode ir de bike também na contra-mão. Você vai saber que pode quando vir essa placa aqui:

IMG_3377

A placa redonda vermelha com o traço branco indica que vc não pode entrar de carro nessa rua porque é contra-mão. A plaquinha embaixo, branca com a bicicletinha e a palavra “frei” ou “livre”, indica que o tráfego é livre para bikes em ambos os sentidos.

IMG_3376

Note que nesse exemplo a rua é não apenas mão única, mas tem realmente só uma faixa. Não dá nem para ultrapassar o caminhão de lixo. Fica meio apertadinho para encaixar uma bike + um carro em sentidos diferentes, mas não se preocupe, os carros, vendo você vir no sentido oposto, vão diminuir a velocidade e quase parar na hora de passar do seu lado para evitar acidentes. No caso de você estar descendo a rua de bike no mesmo sentido dos carros, os carros atrás de você não vão tentar te ultrapassar até ter suficiente espaço para uma ultrapassagem segura. Enquanto não tiver, eles vão calmamente dirigindo atrás de você sem stress.

Ao invés da plaquinha com a palavra frei, às vezes aparecem também plaquinhas de bike com flechinhas pra cima e pra baixo, que significa a mesma coisa, que o tráfego de bikes é permitido em ambos os sentidos.

IMG_1820

Na verdade, a diferença aqui é que, nesse caso, a placa “Einbahnstraße” indica que é uma rua de mão-única (e você pode entrar nela, porque você está no sentido certo), e a plaquinha extra da bicicleta para te avisar que, apesar de ser mão-única, tem tráfego de bicicletas nos dois sentidos, então preste atenção ao entrar na rua. A plaquinha de antes estava indicando que, embora carros não possam entrar naquela rua por ser contra-mão, bicicletas podem porque o tráfego é liberado. Então a placa com as flechinhas é também para avisar os carros que terão bikes vindo no sentido contrário.

Tá, então, mas é que eu sou mó desequilibrado e acabei de aprender a andar de bike e morro de medo de andar na rua… posso andar na calçada?

Quando tiver ciclovia, não. Os pedestres ficarão bravos com você. Se não tiver ciclovia, a princípio o certo é você andar na rua, mas não é o fim do mundo andar na calçada. Desde que você vá devagar e com cuidado para não atropelar ninguém, não tem tanto problema. Inclusive é bem comum andar na calçada quando é uma mãe ou pai na sua bike junto com a criança pequena na bicicletinha de criança. As crianças vão sempre andar pela calçada, claro.

Para proteger a identidade desta criança desconhecida, adicionei uns óculos-escuros-photoshop

Para proteger a identidade desta criança desconhecida, adicionei uns óculos-escuros-photoshop

E numa rua de pedestres? Tipo um calçadão, e tal? Pode andar de bike?

Na grande maior parte das vezes, pode. Você saberá que pode, novamente, pela plaquinha “Frei.” como nesse exemplo:

IMG_1821

A placa azul da mamãe (ou papai escocês) com a criança indica que o local é exclusivamente para pedestres. A plaquinha embaixo com a bike, e novamente a palavra “frei”, indica que você pode também ir de bike. Mas na calçada ou rua de pedestres aposente a buzininha da bike que a prioridade é da mamãe (ou papai escocês) com a criança. Vá devagar, parando, desviando, e com cuidado.

IMG_4328

Ciclistas em rua de pedestres desviando com segurança e cuidado de velhinhos que andam devagar.

Ok, chega por ora! No próximo post sobre bikes, você descobrirá Quando andar de bike e Onde estacionar sua bike!

Mas antes disso vem um post sobre 1˚ de Maio e tradições do dia!


(Publicado em 29 de Abril de 2013)

Cinema na Alemanha

Ir ao cinema na Alemanha é um tanto difícil. Ainda que você esteja numa cidade grande, vai ser um desafio encontrar filmes com o som original. Em 99% dos cinemas, os filmes são dublados em Alemão. (aliás, isso vale para a TV, também, tudo dublado). Ainda que você entenda bem alemão, se filmes dublados não te apetecem, você vai ter que procurar o um cinema da cidade (talvez tenham dois) que passa filmes na língua original. E quando você achar, vai ter duas, talvez três, opções de filmes na língua original. Talvez legendados em alemão, talvez legendados em inglês, talvez sem legenda.

Claro, em Berlim tudo bem, vão ter várias opções. Em outras cidades, boa sorte.

Para indicar que um filme está com o som original, e não dublado, do lado do título do filme estará escrito “(OV)”, que significa Originalversion.

O ingresso no cinema, por aqui, custa por volta de 7 euros, e o ingresso para estudante é ligeeeeeiramente mais barato. Para dar um exemplo, no cinema que eu costumo ir, aqui em Dresden, entre sexta-feira e domingo a inteira é 7,40€ e a “meia” é  6,60€… grande desconto!

Em praticamente todos os cinemas, o bilhete já vem com o lugar marcado. E ao comprar o bilhete no cinema, o caixa das entradas é o mesmo caixa das pipocas e refrigerantes e coisa e tal. E na hora de comprar a pipoca, fique esperto: Na Alemanha, pipoca doce é default. Se vc não especificar que quer pipoca salgada, vão te dar a doce. Nada a ver, comer pipoca doce no cinema. Aliás, é possível que nem tenha a opção de pipoca salgada…

Na hora de ver o filme, outras estranhices: você não vai assistir 317 trailers antes de começar seu filme. E nem vídeos explicando que não pode entrar com latas e garrafas, até porque pode, e pedindo para você desligar seu pager (!) ou celular, nem mesmo explicando onde estão as saídas de emergência e que você deve seguir as orientações da brigada de incêndio que estará identificada com esse símbolo.

E depois do filme, em vários cinemas as luzes só acendem depois de terminarem todos os créditos!


(Publicado em 25 de Abril de 2013)

Reciclagem na Alemanha

Bom, falar sobre reciclagem na Alemanha é um pouco complicado, porque as regras são diferentes em cada estado. Então basicamente eu vou escrever sobre reciclagem na Saxônia. Mas acredito que nos outros estados, embora alguns detalhes sejam diferentes, no geral a história seja bem similar.

Na verdade, a primeira coisa vale para a Alemanha toda:

Esse é o símbolo da reciclagem para os produtos alemães. Quer dizer que todas as embalagens que podem ser jogadas no lixo reciclável vem com esse simbolozinho (em verde ou preto e branco) impresso em algum canto. Na verdade, praticamente qualquer embalagem é reciclável. Acaba indo para o lixo não-reciclável mesmo só guardanapo, sujeira, e tampinha de garrafa de vidro (misteriosamente não-reciclável).

Aqui na Saxônia tem 5 tipos de lixo: lixo normal não-reciclável, lixo reciclável (embalagens, basicamente), lixo orgânico, lixo de papel e lixo de vidro. Cada casa ou prédio têm latonas de lixo de cada tipo, exceto vidro, que são assim:

IMG_3101

(ok, não sei se dá pra chamar isso de lata, mas enfim)

As cores das tampas indicam o tipo de lixo: Amarelo é para o lixo reciclável, preto é para o lixo não-reciclável, azul é o lixo de papel e marrom é o lixo orgânico.

Parece meio nojento ter um lixo orgânico dentro de casa, quer dizer, uma lata de lixo só com resto de comida… Mas a única coisa viva e visível que eu vi aparecer no lixo orgânico por aqui foram fungos, mesmo. De resto, nem mesmo uma formiguinha. E olha que a gente é mó enrolão e às vezes demora horrores para pôr o lixo pra fora. Mas sendo a lata bem fechada, não sai cheiro nem entra bicho. (ajuda o fato de ter bem menos insetos de lixo por aqui, claro)

Quanto ao lixo de papel, é importante lembrar que não pode jogar o lixo dentro de sacos de plástico, é para ter realmente só papel. (Aliás, não sei pra quê precisa um saco de plástico para o lixo de papel, lembrando que é só papel seco, né. Basicamente você tem lá sua lata de lixo de papel, leva ela para a latona, joga lá e pronto, não precisa de saquinhos extras.

Os caminhões de cada tipo de lixo vêm em dias e com freqüência diferentes. Aqui em Dresden, bem no meio da cidade, o de papel, por exemplo, passa uma vez a cada duas semanas. Os outros passam uma ou duas vezes por semana. Quando é dia do caminhão vir, você ou a pessoa que cuida do prédio (normalmente os prédios têm uma pessoa que limpa as escadas uma vez por semana, põe o lixo pra fora, e coisinhas assim) coloca a latona do lixo correspondente na porta do prédio, o caminhão passa e o lixeiro coloca a lata atrás do caminhão e o próprio caminhão segura a lata, vira de cabeça pra baixo para soltar o lixo, e devolve para o chão.

Os caminhões aqui não são desesperados para sair correndo que nem os do Brasil, ou pelo menos de São Paulo, que os lixeiros têm que correr loucamente para alcançar. Eles vão calmamente parando aqui e ali.

Mas a pergunta, é, e o que você faz com o vidro, se não tem uma latona no prédio para vidros?

Bom, garrafas você normalmente devolve para o supermercado, dependendo do tipo. Algumas garrafas (as de vinho, por exemplo), por algum motivo não são retornáveis. Essas e os outros vidros você joga num dos containers que estão espalhados pela cidade. Sempre tem um conjunto de containers suficientemente perto da sua casa. Lá você encontrará:

IMG_3109IMG_3110

– container para vidros transparentes

– container para vidros verdes e marrons

– containers para papel (caso você tenha por exemplo um monte de caixas de uma mudança para jogar fora, ou coisa assim, que não caiba na sua latona em casa, você pode levar para o container para poder jogar fora tudo de uma vez)

Misteriosamente tem dois containers para papel, um para papel normal e outro para papelão. Vai saber porque existe essa diferenciação, se no seu lixo de casa é tudo junto! Mésanfã.

Em alguns prédios maiores, com muitos apartamentos, normalmente não tem as latas, mas um conjunto de containers para o prédio.

Os containers podem ser esses normais como os da foto, ou containers subterrâneos. Aí no chão você tem só uma lata de lixo de um tamanho relativamente normal, que é na verdade um buraco para um container subterrâneo.

E você encontra, também espalhados pela cidade, containers para doação de roupas velhas, que têm essa cara aqui:

Mas e como que funciona a separação de lixo em termos de taxas, multas e tal? Ou o que encoraja as pessoas a separarem direito?

Bom, novamente, isso muda um pouco em cada estado, mas basicamente é o seguinte. Essas latas padrão com as cores diferentes você recebe da companhia que busca o lixo (não tenho certeza se é pública ou privatizada, acho que também varia de estado para estado) de acordo com a quantidade de pessoas que mora na sua casa ou no seu prédio. Então, sei lá, se forem 4 pessoas na casa, você recebe uma lata de x litros, se for um prédio com 6 apartamentos, uma lata de 3x litros, etc, algo assim.

Você paga uma taxa pelo lixo, de acordo com a quantidade de lixo média produzida (também calculada, acredito, pela quantidade de pessoas que moram no local), e aqui que fica o detalhe: você paga uma taxa menor para o lixo reciclável que para o lixo não-reciclável. Então se você tiver mais lixo não-reciclável do que reciclável, você acaba pagando mais. “Ah, beleza, então eu jogo tudo no lixo reciclável e pronto”. Também não é tão fácil assim. Se quando o caminhão vier buscar, eles perceberem que o lixo está misturado, eles não levam, ou então cobram a taxa maior, a do lixo não-reciclável. Logo, melhor separar direito. Também vale para a história dos saquinhos de plástico no lixo de papel, se não tiver só papel, o caminhão não leva. Aqui no meio da cidade pode não ser um problema muito grande, mas se você mora mais longe do centro, onde o caminhão passa menos vezes, digamos, uma vez a cada 2 semanas, pode ser bem inconveniente se eles não levarem o lixo porque estava misturado, e você acabar tendo que acumular o lixo de 4 semanas até a próxima vez que o caminhão passar. Em alguns estados você pode também levar multa, se o lixo estiver misturado. Melhor separar direito.


(Publicado em 18 de Abril de 2013)

Supermercado

Morando fora do país, um dos lugares que me fazia sentir um pouco em casa no início eram os supermercados. Supermercado é uma coisa que, essencialmente, é igual em qualquer lugar do mundo, aparentemente. Tá, não sei como são os supermercados na Etiópia ou em Bangladesh, mas não deve ser nada muito diferente das longas estantes com diferentes e coloridas embalagens de comida. A comida dentro da embalagem muda, mas as embalagens nem tanto. E no final, pelo mesmo por aqui no mundo ocidental, metade das marcas se repetem nos vários países. Outro dia mesmo comprei um pacote de Ovomaltine. Nem sei de onde é Ovomaltine. Mas aqui também tem.

Enfim, mas apesar das similaridades, algumas diferenças podem ser observadas nos supermercados alemães.

Todos os supermercados por aqui tem uma padaria na entrada e outra dentro do supermercado. Ok, não visitei 100% dos supermercados na Alemanha, mas todos os que visitei são assim, uma padaria na entrada, com o seu próprio caixa, e outra dentro onde vc escolhe seu pão, empacota e paga no caixa do supermercado. Como eu falei, os alemães gostam de um pão.

Mas as maiores diferenças estão mesmo no próprio caixa. Os alemães são muuuuito rápidos para passar as compras, prepare-se. As pessoas costumam fazer compras menores, até pq ninguém vai de carro até o supermercado. Quem faz compras maiores costuma ir no fim de semana nos enormes hipermercados que ficam longe do centro da cidade, em centros de compras que reúnem shopping centers, IKEA, lojas de construção, etc. Em supermercados de bairro as pessoas fazem só compras menores, você quase nem vê pessoas com carrinhos de supermercado. A esteira do caixa costuma ser bem comprida, e não raramente suas compras vão andando mais rápido que você. Não tem problema, o importante para os alemães é não desperdiçar espaço na esteira.

Ao passar suas compras, empacote tão rápido quanto possível que o caixa JAMAIS esperará você terminar de empacotar suas compras para começar a passar as do próximo cliente. Normalmente no final da esteira, quer dizer, no lugar onde o caixa coloca as suas compras depois de passar pelo leitor para você empacotar, tem uma separaçãozinha, uma peça de plástico, que o caixa pode virar para um lado ou para o outro para separar aquela área em duas. Assim, se vc ainda não tiver terminado de empacotar as suas compras depois de pagar, o caixa já pode ir colocando as compras do próximo cliente no outro lado. Mais ou menos assim: (mas esse é um exemplo de um caixa bem grande. Normalmente esse espaço tem a largura normal da esteira)

Vários supermercados têm umas bancadas atrás dos caixas, onde você pode terminar de empacotar suas compras com mais calma.

IMG_1830

Quanto aos saquinhos e sacolas, aqui não tem essa cansativa discussão infinita dos saquinhos de plástico ai-minha-vida-é-tão-mais-difícil-sem-saquinhos-de-plástico-gratuitos-no-supermercado… Todo mundo por aqui leva a sua própria sacola sem drama. Se por acaso você esquecer a sua própria sacola, tem várias opções de sacolas que você pode comprar, desde sacolas retornáveis a sacolas de plástico boas, das que dá pra usar de novo, ou sacolas fortes de papel. Normalmente tem também sacolinha de plástico de graça, mas elas são beeeem ruins, super finas e bem pequenas.

Todos os supermercados alemães têm uma máquina de devolver latas e garrafas.

IMG_3095Pela lei alemã, qualquer loja que venda determinadas latas e garrafas têm que também aceitá-las de volta para devolver para o fornecedor, que tem que reciclar. Ao devolver as suas garrafas de cerveja e latas de coca-cola, você recebe de volta parte do valor, variando de 0,08€ a 0,25€ dependendo da garrafa ou lata. Nas lojas menores, você devolve direto no caixa, mas os supermercados têm essas máquinas sagazes que pegam a garrafa, e lendo o código de barra vai adicionando o valor até você terminar de devolver as garrafas que trouxe, e apertar o botão verde para a máquina imprimir um papelzinho com o valor total das garrafas que você devolveu. Passando no caixa, vc pode usar o vale para pagar parte das suas compras, ou trocar por dinheiro caso não tenha feito nenhuma compra.

Também dá para devolver caixas de garrafas, daquelas assim:

Finalmente, antes de ir embora, você pode aproveitar para já jogar no lixo reciclável no supermercado as embalagens em excesso, que você não faz questão de levar pra casa.

IMG_3096O que me lembra que tenho que escrever um post sobre reciclagem de lixo na Alemanha.


(Publicado em 17 de Abril de 2013)

Comendo com alemães 2

Continuando no assunto comer na Alemanha, vamos para a parte importante: o que comer na Alemanha?

Algumas coisas a gente já sabe, salsicha, cerveja, etc. Os alemães costumam fazer só uma refeição quente por dia, na hora do almoço.

O café da manhã e a janta são muito similares. Pão com frios, resumindo. Os alemães adoooooram pão, se você perguntar para um alemão morando em outro país do que ele mais sente falta, certamente ele mencionará os pães alemães. Os pães por aqui são mesmo bem variados. Para o café da manhã, é comum comprar uns pãezinhos (Brötchen) de vários tipos diferentes, assim:

Aí tem pão branco, pão escuro, pão com gergelim, pão com queijo, pão com pedaços de frutas secas, pão com pedacinhos de chocolate, pão com sementes de não sei o quê, tem mil e duzentas opções. E normalmente eles compram um de cada e comem uns cinco tipos diferentes no mesmo café da manhã!

Eu acho engraçado o jeito como eles cortam o pão, aqui. É sempre nesse mesmo eixo, como na imagem:

Tudo bem, não tem nada de estranho em cortar o pão dessa forma quando vc vai passar alguma coisa, ou colocar um pedaço de queijo e um salame, fechar o pão e comer, né? O esquisito é que eles não fecham o pão, eles passam o requeijão, põe o presunto ou o que for, e comem só aquela metade, e devolvem a outra metade… e acham super bizarro se vc faz diferente.

Que mais? Para pôr no pão, diferentes tipos de presunto, salame e queijos. Normalmente eles não comem nada doce no café da manhã. Talvez uma geléia. Mas o comum são os frios, e talvez também um ovo quente.

O que muda na janta, basicamente, é o tipo de pão. Ao invés dos pãezinhos, Brötchen, eles comem Brot, pãezões. (Pãezões?)

De novo, mil tipos diferentes, mas quase com certeza pão escuro, e de preferência daqueles cheios de sementes dentro.

Aqui uma janta típica:

Acho  engraçado, também, que eles nunca comem pão num prato, mas sempre nessas tábuas de madeira que nem na foto a cima.

Ok, esse foi um post mais de pão que de comida, mas os alemães gostam mesmo de pão. As comidas quentes ficam prum próximo post!


(Publicado em 13 de Abril de 2013)

Comendo com alemães

Se na sua visita pela Alemanha lhe acontecer de ser convidado por algum alemão para uma janta/almoço/café da manhã, alguns costumes é bom conhecer para não dar vexame (Eu já dei vários).

Os alemães SEMPRE, SEEEEEEMPRE, SEEEEEEEEEEMPRE esperam todo mundo estar pronto com a comida no prato para começar a comer. Mesmo que você esteja com amigos num McDonald’s, só comece a comer depois que todo mundo estiver pronto E disser “Guten Appetit” (acho que dispensa traduções).

Parece simples, normal, mas não é. A gente não tá acostumado com isso, exceto em situações mais importantes, mais formais, talvez num restaurante mais chique. Almoçando com os colegas do trabalho, por exemplo, você espera todo mundo estar pronto para começar a comer? Nah. E falar bom apetite, então? Ninguém no Brasil fala bom apetite! Os alemães adoram me perguntar como fala bom apetite em português. Eu respondo: a gente não fala nada, na verdade. De que adianta traduzir uma expressão que jamais será usada? Se alguém discorda, me corrija. Mas eu, particularmente, nunca falei ou ouvi bom apetite no Brasil. Aqui é ESSENCIAL. E não se distraia achando que vai lembrar fácil desse detalhe, é o maior esforço para lembrar. Os amigos do namorado já devem achar que eu sou a pessoa mais mal-educada ever para comer…

Daí além da comida, tem a bebida, claro. Idem. Não comece a beber antes dos outros. Alemães fazem a maior questão de brindar.

Que mais?

Se um alemão oferecer para pagar seu almoço para você, aceite tranquilamente, eles não oferecem só de educação, só para aquela “briguinha” pela conta “não, eu pago!”, “não, deixa que eu pago!”, “Magina, eu pago!” etc etc.

(Aliás, qualquer coisa que um alemão te oferecer, sinta-se livre para aceitar ou não sem cerimônias.)

Pela minha experiência, pode ser só as pessoas que eu conheço, mas a minha impressão é de que, exceto pelo café-da-manhã, os alemães comem bem rápido.

Mas o que eles comem a gente deixa pra próxima post. Não se anime.


(Publicado em 8 de Abril de 2013)

Aniversários alemães

Em homenagem ao meu próprio aniversário – não menos, claro, que o dia mais importante do ano – resolvi revelar um pouco a respeito a comemoração de aniversários na Alemanha.

Os alemães, como nós, comemoram seus aniversários anualmente, ainda que tenham nascido em 29 de fevereiro.

É bem comum, para os alemães, fazerem grandes festas de aniversário, normalmente nas suas casas, mas também às vezes em locais alugados para o evento, quando a comemoração for realmente grande. Nunca vi um alemão deixar passar o aniversário sem, no mínimo, convidar uns 10 amigos em casa. Convidar os amigos para um bar ou uma pizzaria, como a gente costuma fazer no Brasil, não é muito comum. Aqui as pessoas fazem festas em casa com uma certa freqüência, talvez também porque os jovens saem das casas dos pais bem mais cedo que no Brasil.

O normal para os comes e bebes de uma festa de aniversário – ou qualquer outra festa – são coisas como torta de cebola, pão, “molhos” para o pão (salsiki, alguma coisa feita com tomates, talvez guacamole), algum bolo, claro, talvez de maçã, mas no geral não tantos doces como a gente costuma ter em festas. Para beber, vinho e cerveja. Não conte com refrigerantes ou bebidas não-alcoólicas, os alemães nunca ouviram falar de pessoas que não bebem e/ou não gostam de álcool. Com alguma sorte eles encontrarão um suco de maçã esquecido no fundo da geladeira para te oferecer.

Aliás, é bem comum levar uma garrafa de vinho quando você vai em festas de aniversário, com a intenção de contribuir para as bebidas da festa, não tanto como presente. Logo, se você como eu por acaso prefere os não-alcoólicos, não é nem um pouco ruim levar alguns refrigerantes ao invés do vinho. Os alemães ficarão positivamente surpresos (“nossa, é mesmo, a gente bem que podia beber refrigerante, também!”) e você não vai ficar morrendo de sede a festa inteira.

Uma coisa é importante ser dita, se você durante sua estada na Alemanha for a alguma festa ou evento onde você será o único não-alemão. Os alemães são absolutamente péssimos em fazer pessoas de fora se sentirem incluídas no grupo. Não me refiro necessariamente a estrangeiros. Pessoas de fora. Por exemplo, no grupo de amigos da faculdade de um amigo seu, se vc for o único que não fez faculdade com eles. Ou se vc é o único presente num evento familiar que não faz parte da família. Ou se vc é de outro país. Não importa muito a situação, se vc for de fora, vai ser difícil não se sentir excluído. Não se ofenda. Não é proposital, não é má-intenção, eles nem mesmo percebem. É simplesmente cultural, os alemães não sabem fazer pessoas de fora de sentirem incluídos, fato. E ainda que você esteja quieto a festa inteira, excluído num canto, chateado e ofendido, eles não perceberão. Os alemães não são bons de indiretas nem de perceber coisas que não são ditas. Se vc está chateado, tem que avisar. Sério. Se vc for o único que não fala alemão num grupo de cinco, seis pessoas ao redor de uma mesa, ainda que eles todos falem bem inglês e saibam que você não fala alemão, estarão todos conversando em alemão sem a menor preocupação com você. Se você se incomoda, diga. Eles não vão perceber de outra maneira.

Enfim, deixo para falar mais sobre isso em outra post. Voltando aos aniversários.

Os alemães têm uma música diferente de aniversário. Chama “Que bom que você nasceu” e o refrão diz “que bom que vc nasceu, ou sentiríamos falta de vc” Hahahahhaha, achei ótimo!

Eis aqui uma amostra com legendas em inglês e espanhol e um vídeo pessimamente feito, mas dá pra ter uma idéia.

Quanto ao dia da comemoração, os alemães com freqüência fazem a festa de aniversário no próprio dia do aniversário, ainda que seja no meio da semana. Comemorar antes do aniversário não pode, dá azar. Mas pode comemorar na noite do dia anterior e abrir os presentes à meia noite.

O que nos leva a parte que importa: e os presentes?

Alemães também recebem presentes nos seus aniversários. Em uma festa de aniversário, alguns talvez trarão um presente, mas tudo bem também trazer só bebidas. Só chegar de mãos vazias que não é comum. É normal, como no Brasil, abrir o presente assim que o receber.

E, claro, não poderia faltar: O que dizer, em alemão, para o aniversariante:

“Alles Gute zum Geburtstag” – Feliz aniversário (ou literalmente “tudo de bom no aniversário”)

ou

“Herzliche Glückwunsch” – Parabéns (ou, literalmente, algo como “votos de felicidade, do coração”)


(Publicado em 4 de Abril de 2013)