televisão

Pago ou gratuito

A gente automaticamente assume que certas coisas sempre serão gratuitas enquanto outras sempre serão pagas porque sempre foi assim. Aí quando você vai para outro país, surpreende-se ao descobrir que várias coisas que você estava acostumado a receber de graça lá tem que pagar, enquanto outras que eram pagas de repente são gratuitas.

Planejando esse post, fiz uma lista de coisas que são pagas aqui e grátis no Brasil e vice-versa, mas enumerei bem mais itens que são pagos aqui e não no Brasil… São os seguintes:

Pago aqui, gratuito no Brasil:

1. Televisão
Esse é talvez o mais estranho. Aqui existe uma taxa que você paga pela televisão. Mas ela é independente de vc ter uma televisão ou não. É uma taxa paga por apartamento ou casa. Cada local de moradia, por assim dizer, tem que pagar essa taxa mensal de 17,98 euros. Isso tem origem em fatores históricos: depois da segunda guerra mundial, a idéia era que a mídia passasse a ser livre de influências governamentais e comerciais, então todo mundo que tivesse uma TV em casa teria que pagar uma taxa, para evitar que as redes de televisão dependessem de subsídio do governo ou de comerciais. De fato a TV aqui (me dizem, eu não assisto TV pra saber) tem bem menos propaganda (embora ainda tenha). Até a pouco tempo atrás, essa taxa só era paga se você tivesse uma TV ou rádio em casa, e como eles não tinham direito de entrar na sua casa pra checar, vc poderia simplesmente dizer que não e eles teriam que aceitar (mas apareciam na sua porta fazendo pressão pra vc deixar eles entrarem e verificarem). Como as redes de TV passaram a oferecer seus programas também online, ter um computador já era suficiente pra ter que pagar a taxa. E aí como hoje em dia praticamente ninguém (provavelmente ninguém mesmo) realmente não tem nenhum objeto em casa que possa receber um sinal de TV ou rádio, a taxa passou a ser obrigatória para todos. Chama Rundfunkgebühr. Nesse post eu falei um pouco sobre a TV alemã, essa taxa, e outras coisas.

2. Filme/música
Bom, lógico que isso é pago no Brasil também. Mas no Brasil é totalmente tranquilo baixar filme ou música na internet, nunca ouvi falar de ninguém que tenha tido problema com isso. Aqui isso é REALMENTE uma questão diferente. Eu conheço VÁRIAS pessoas que baixaram alguma música ou fizeram torrent de filme online, e receberam poucos dias depois uma carta em casa cobrando ALTOS MIL EUROS de multa!!! A questão é longa e complicada, e eu falei melhor dela nesse post aqui. Mas pra resumir: aqui não rola baixar coisa de fontes “alternativas”. O jeito é pagar serviços de streaming mesmo (netflix, apple music, spotify…), que aliás são uma opção tão boa ultimamente que eu nem tenho sentido falta da habilidade de fazer downloads não-exatamente-legítimos.

3. Dízimo
Bom. Dízimo, por definição, não é gratuito, óbvio. Mas uma diferença BIZARRA na Alemanha é que aqui, se vc faz parte de uma igreja, o dízimo É OBRIGATÓRIO! Não assim obrigatório de ah, se não pagar vai pro inferno ou o padre não te deixa entrar na igreja domingo que vem. Obrigatório de É PARTE DO SEU IMPOSTO DE RENDA. Sério. Se vc é ‘registrado’ (sei lá como fala) em alguma religião cristã aqui, vc paga dízimo no imposto de renda. Nem vou comentar o que eu acho disso. Mas tem um post sobre religião na Alemanha aqui (que misteriosamente é de longe o post mais visitado do blog).

4. Wifi nos lugares
Cada vez que eu viajo pra fora da Alemanha – e pode ser pra qualquer país, até os que tão logo aqui do lado – eu lembro como funciona wifi no resto do mundo: tem wifi grátis em praticamente qualquer restaurante/café/lugar. Aqui isso ainda é mega atrasado, são poucos mesmo os restaurantes e cafés que oferecem wifi grátis…

5. Impostos (pra qualquer coisa)
Jeitinho pra disfarçar e não declarar isso ou aquilo por aqui é inexistente. Tem que declarar tudo. Qualquer trabalhinho que vc faça que te pagou 50 euros, tem que emitir tipo uma nota fiscal e declarar tudo direitinho. Até prostitutas têm que pagar imposto sobre o que elas recebem do seu trabalho (prostituição é legal e regularizada na Alemanha).

6. Saquinho de supermercado
No geral as pessoas levam suas próprias sacolas. Se esquecer, tem que comprar. Até teeem uns saquinhos que vc pode pegar gratuitamente, mas é basicamente tipo aqueles saquinhos de colocar fruta. Beeeem toscos, bem fininho e mega pequenos, também. Praticamente ninguém usa. Qualquer saquinho ou sacola minimamente decente é cobrado.  Eis um post sobre supermercados aqui.

7. Orçamento
No Brasil se você quiser, por exemplo, consertar alguma coisa, você pode deixar na loja para fazer um orçamento do serviço de reparação sem precisar pagar nada. Eles olham, vêem o que está errado, e te dão o preço do conserto, e vc decide se quer pagar ou tentar outra loja. Aqui mesmo o orçamento é pago. Tem exceções, claro, principalmente se for algo simples que dê pra saber ali rapidinho qual o problema. Mas se for algo que algum funcionário vai ter que desmontar o objeto pra tentar descobrir o problema, certamente o orçamento será cobrado, uma vez que a pessoa já teve que trabalhar pra descobrir o problema.

8. Banheiro
Não é muito fácil encontrar banheiros gratuitos na Alemanha. Em shoppings, estações, e aos poucos até nos museus está começando a ser assim, os banheiros normalmente custam 50 centavos. Em alguns lugares como shoppings você costuma receber em troca um vale de 50 centavos, pra usar caso compre alguma coisa no local. Mas nem sempre. Por outro lado sempre dá pra achar banheiros públicos, de rua. Claro que para mulheres isso normalmente é uma opção totalmente fora de cogitação…

9. Carrinho no supermercado / aeroporto ou armário no museu / biblioteca
Não é que são pagos. São gratuitos. Mas vc SEMPRE tem que depositar uma moedinha pra retirar o carrinho ou a chave do armário. Então precisa sempre ter com vc uma moeda de um ou dois euros pra essas situações. Quando vc devolve o carrinho ou coloca a chave de volta no armário, a moeda é devolvida.

10. Qualquer entrega
Se vc compra algo em alguma loja, digamos por exemplo um SOFÁ, pode ter certeza que se quiser entrega vai ter que pagar extra. E normalmente as pessoas dão um jeito de levar pra não ter que pagar a entrega. E pelo que ouvi de uns amigos, serviços de entrega ou mudança são meio toscos, tipo trazem o sofá até sua casa mas se recusam a levar ele até o andar que você mora, coisas assim… melhor escalar uns amigos fortes, alugar uma van, e fazer as coisas do jeito alemão!

Gratuito aqui, pago no Brasil:

1. Transporte pra estudantes
Na verdade não é que é gratuito. Você paga uma taxa fixa no começo do semestre (por volta de uns 250 euros), que é obrigatória para todos os estudantes. E essa taxa é pra pagar o bilhete de transporte público, que é um bilhete infinito para qualquer transporte público NO ESTADO INTEIRO! Not bad, Alemanha, not bad.

2. Frete de livros no Amazon
É gratuito sempre! XD

3. Óculos
Não, não é gratuito, óbvio. Mas é que os seguros de saúde costumam cobrir óculos até um certo valor.

4. Exame de vista
Esse sim é gratuito, vc pode fazer exame de vista em óticas sem pagar nada, e sem obrigação de comprar óculos lá.

5. 4 horas extras por semana
Gratuito pro seu chefe. A princípio (na maioria dos contratos é assim), se vc trabalhar até 10% de horas extras (ou seja, até 44 horas por semana ao invés das 40 previstas no seu contrato), vc não recebe nem um centavo extra por isso. É, esse é um gratuito que não é nada vantajoso (bom, exceto se vc for o dono da empresa).

É isso! Esse post foi inspirado em um post similar nesse blog sobre o Canadá aqui.


(Publicado em 31 de Março de 2016)

 

Televisão alemã 2: Die Sendung mit der Maus

Antes de ler esse post, leia a parte 1 sobre televisão alemã!

Como eu dizia no post anterior. Tem um programa na televisão daqui que vale a pena mencionar.

É um programa super antigo, voltado ao público infantil, mas meeeega famoso, que absolutamente TODOS os alemães conhecem e muitos assistem regularmente mesmo não sendo mais crianças (não, não é Chaves).

É o Sendung mit der Maus, ou “o programa do rato” (Também não é Ratinho). É um programa que basicamente mostra como as coisas funcionam. Qualquer coisa, todas as coisas. Como se constrói um avião, ou como se produz chocolate, como são as prisões alemãs, ou como funcionam chaves, ou como se produz aspargos, ou como funcionam moinhos de vento, ou como é a gravidez e o nascimento, ou como é a cultura japonesa, ou como funciona uma lapiseira. O programa é semanal e existe desde 1971, então eles basicamente já explicaram como funcionam TODAS. AS. COISAS. DO. MUNDO. Tem um, inclusive, sobre o Brasil. De uma série de episódios sobre países (até agora tem Brasil, Japão, Índia, África do Sul e Grécia) que mostra, basicamente, o dia-a-dia de uma criança regular nesses países (ou seja, como são as escolas, como são as casas, as famílias, etc.). O do Brasil é esse daqui:

O apresentador acompanha uma menininha de Brasília para ver o dia-a-dia no Brasil. É bem simpático.

E onde entra o rato, nessa história? Na verdade, o nome original do programa era “Lach- und Sachgeschichten für Fernsehanfänger”, ou “histórias engraçadas e educativas para iniciantes de televisão“.  Só que entre os diferentes quadros aparece um episódio curtinho de um desenho com um rato laranja e um elefante azul. E o programa acabou ficando conhecido pelo rato, e sendo rebatizado Sendung mit der Maus. O desenhinho é esse aqui:

Como fica óbvio nesse exemplo, é um desenhinho beeeem bobinho, bem simplesinho, para crianças bem pequenas mesmo. MAS TODO MUNDO CONHECE E AMA ESSE TAL RATO. Tem até loja do rato, onde você pode comprar todo o tipo de brinquedo ou coisas quaisquer com a marca do rato e do elefante. De verdade, esse Sendung mit der Maus é o Chaves da Alemanha.

Aí você vai falar, ahhh, mas o Chaves é um programa bobão de comédia pastelão, esse tal Sendung mit der Maus é mó educativo, outra coisa!

Bom, de fato o Sendung mit der Maus tem esse viés educativo, e um motivo muito particular para tal. Quando ele começou a ser feito, era proibido ter programas na TV para crianças menores de 6 anos. Com a intenção de focar o público infantil sem provocar a ira dos pais super-protetores, criaram esse programa que não tinha como fim só entretenimento, mas também educação. Deu tão certo que 43 anos depois o programa ainda é produzido e distribuído semanalmente. No mínimo impressionante. O Sendung mit der Maus já recebeu 75 prêmios e tem até teses de doutorado sobre ele. No 40˚ aniversário do programa, o página do google na Alemanha tinha um doodle com o rato e o elefante:

-Google Doodle, Germany, March 7th 2011

Uma coisa interessante sobre a TV e sobre a cultura alemã que eu percebi assistindo o Sendung mit der Maus é que os alemães são bem francos e abertos com as crianças. Um bom exemplo é o episódio sobre gravidez e nascimento:

Assiste se você tiver paciência. É muito interessante perceber a franqueza com que o assunto de gravidez é tratado com as crianças. O corpo feminino não é tabu, sexo não é tabu, tudo é explicado honestamente. Claro, em linguagem apropriada e com as informações apropriadas para crianças, mas sem colocar cegonhas na história. Achei bem interessante.

Enfim! Super recomendo os episódios de Sendung mit der Maus para praticar seu alemão E aprender como as coisas funcionam ao mesmo tempo!


(Publicado em 25 de Fevereiro de 2014)

 

Televisão alemã 1: Rundfunkgebühr

Preciso achar títulos melhores para meus posts. Todos eles têm “Alemão” ou “Alemanha”, está ficando meio repetitivo.

Mas vamos lá. Televisão alemã. (podia usar “germânica” de vez em quando!)

Uma coisa bem particular daqui é que você tem que pagar uma taxa pelos serviços de radiodifusão. Até o ano passado, você só pagava a taxa se tivesse uma TV ou rádio ou um computador com acesso à internet. Com TV, era um valor um pouco mais alto, se fosse só rádio ou computador, era um valor um pouco mais baixo. Só que o provedor dos serviços de rádiodifusão, que recolhia a taxa, não tinha permissão para entrar na casa de ninguém. Então basicamente bastava você falar que não tinha nenhum desses eletrônicos em casa, e eles teriam que acreditar em você. Obviamente isso não estava funcionando muito bem, porque é claro que a essa altura da história do mundo todo mundo tem uma TV, um rádio, um computador e/ou um outro dispositivo que se conecte à internet. Então sabendo que as pessoas estavam provavelmente mentindo sobre não ter nenhum dos tais dispositivos, os fiscais batiam à sua porta e falavam todo o tipo de ameaças vazias para que você se assustasse e deixasse-os entrar no seu apartamento e ver que você tinha sim, uma TV. (Contanto que você soubesse que não importa o que eles te digam, eles realmente não podem entrar na sua casa, não tem problema. Mas chega um fulano com cara de oficial, uniforme e crachá na porta da sua casa falando sério e ameaçador, certamente que muitas pessoas já não estariam mais tão seguras de que o fulano não pode, mesmo, entrar para verificar.)

Para resolver logo todos esses problemas, a partir de 2013 essa taxa passou a ser obrigatória para todas as casas. Quer dizer, você paga uma vez por casa/apartamento, então se vc mora sozinho, vc paga sozinho, se vc mora em 10 pessoas numa mesma casa, você divide o valor entre os 10.

Como aqui é obrigatório se inscrever na prefeitura quando você se muda para uma cidade alemã, eles sabem quem mora onde. Cada pessoa ao se mudar para uma casa nova recebe uma carta sobre Rundfunkgebühr (taxa de radiodifusão), e você tem que responder ou se cadastrando para pagar a taxa, ou com os dados da pessoa que já se cadastrou e já está pagando a taxa no seu endereço.

O valor é de 17,98€ por mês, mas eles só te mandam a conta (ou debitam da sua conta) a cada 2 ou 3 meses. Não é um valor muito alto, mas é chato ter que pagar se você nem assiste TV.

Embora pareça muito estranho ter essa taxa geral pela TV aberta, parece que só nas Américas que é incomum. Na Europa, Ásia e África, vários países têm taxas similares com o objetivo de financiar os serviços de radiodifusão sem a necessidade dos intermináveis comerciais. Bom, TV sem comerciais até que não é má idéia, né? Só que na verdade tem comerciais, sim. Na Alemanha, até às 20h os canais abertos podem mostrar comerciais e depois desse horário, não. A idéia é que, tendo esse financiamento, os canais públicos não precisariam depender de comerciais nem do governo para funcionar, e portanto seriam menos influenciáveis e mais democráticos. Mas é permitido que até 4% da receita dos canais seja proveniente de comerciais, por isso que ainda sobram alguns. Existem discussões no sentido de remover totalmente os comerciais da TV pública, mas isso resultaria num acréscimo de 1,50€ na taxa mensal.

Quanto aos canais, tem 3 canais públicos de televisão, que são portanto financiados por essa taxa, e mais alguns privados que se financiam com comerciais, mas são abertos. E, claro, como em qualquer lugar, você pode sempre assinar uma TV à cabo.

Eu sinceramente não assisto TV jamais, então não tenho muito idéia da qualidade ou variedade dos programas dos canais públicos. MAS o que eu sei – e que é muito legal e portanto precisa ser falado – é que como tem essa taxa geral, os canais tem sites online muuuuuito completos, onde você pode assistir livestream de tudo. Por exemplo no site da ARD (o canal 1, que é o maior e mais antigo e principal e tudo mais)  estavam disponíveis, agora durante as olimpíadas de inverno, livestream de todos os jogos. E se você não conseguisse assistir ao vivo, dava para assistir no site, mais tarde, vídeos às vezes completos, às vezes resumidos, de quase todos os jogos. Muito conveniente para esses grandes eventos esportivos. Isso é, aliás, uma boa dica para quem quiser assistir copa ou olimpíadas enquanto estiver na Alemanha. Mesmo se você tiver uma TV, normalmente a TV não mostra todos os jogos, até porque alguns acontecem ao mesmo tempo. Bom, no site da ARD dá para assistir todos, é só escolher.

not bad

(Tá, confesso que não sei o que está disponível nos sites da Globo e do SBT, de repente eles são igualmente completos, vai saber. Não sei, não estou a fim de entrar no site da Globo para saber.)

Mas dei uma perguntada para alemães (ok, confesso, só para um alemão, que está sentado aqui do meu lado no momento) e parece que no geral a oferta de programas é bem similar. Tem jornal, jornais sensacionalistas estilo Datena, documentários de natureza, documentários de crimes, programas de auditório, os talk shows com celebridades, os programas de jogos tipo Passa ou Repassa (estou usando um exemplo mega arcaico ou ainda existe Passa ou Repassa?), Big Brother tem também, bobeira em TV aberta não é exclusividade brasileira, não. A única coisa que pareceu novidade para o alemão entrevistado para fins desse post foi programas tipo Faustão com mulheres-decoração dançando no fundo. Programas estilo Faustão existem, mulheres-decoração dançando no fundo, não. Pelo menos um avançozinho!

E tem um programa específico que vale a pena mencionar. Não, espera, sobre esse programa vale escrever um post inteiro. Então esse fica sendo parte um e daqui a pouco eu posto a parte dois do post.


(Publicado em 25 de Fevereiro de 2014)